Educação + Política = Desenvolvimento

Destaco 3 “modelos” diferentes de sistemas básicos de educação:
– Coreia do Sul: ótimo ensino médio com viés capitalista
– França: ótimo ensino médio com viés socialista
– EUA: fraco ensino médio com viés capitalista
 
A diferença prática é que a Coreia possui o maior crescimento do PIB e maior inclusão da população com ganhos sociais adquiridos pela produtividade do próprio cidadão.
 
Na contra-mão a França, embora com bom ensino médio, possui o menor crescimento do PIB e atualmente com prejuízo de produtividade pelas greves na busca de manter seu sistema insustentável de benefícios do governo.
 
Já os EUA compensa seu ensino médio medíocre com política. Seu desenvolvimento de tecnologia em quase todos os segmentos mantém-se na vanguarda graça à importação de gênios. As universidades que possuem campus de pesquisas e empresas de ponta possuem equipes de “garimpagem de gênios” que, uma vez identificado, fazem contato com o pretendente e tendo seu aceite dão entrada no Departamento de imigração solicitando o visto H1B.
 
O Brasil? Ah Brasil… faz tudo errado. Tem um ensino médio medíocre, com viés socialista, não investe em centros de pesquisa de tecnologia e não retém os gênios no país. O resultado é a falta de perspectiva de tornar-se um gerador de valor agregado e manter-se como um fornecedor de commodities como soja e minério de ferro.
 Captura de Tela 2016-06-06 às 11.00.14

2 ideias sobre “Educação + Política = Desenvolvimento

  1. Olá.
    Sou contra a novas sigla partidárias.Prego reformas políticas já,com o fim de siglas de aluguel.No entanto tenho a plena convicção de quê só a educação com máximo investimento trará desenvolvimento.

    • Olá Adilson. Em verdade o problema não são as siglas. Embora os EUA estejam entre Hillary e Trump, é o país que possui a democracia mais bem consolidada e lá existem mais de 80 partidos, ou seja, existe a liberdade das várias ideologias se expressarem, e tem mais representatividade aqueles poucos partidos que atendem a maioria. O problema do Brasil é que os partidos são sustentados pele governo (Fundo Partidário) e que muitos existem para fazerem moeda de troca (votos por postos). Uma reforma política natural seria cortar o Fundo Partidário, ou seja, apenas ficariam aqueles partidos que conseguissem filiados que acreditassem nos seus ideais e pagassem por isso. O fim do Fundo seria uma boa ferramenta para eliminar as siglas de aluguel. E sem dúvida, educação é a solução para quase todos os males. Abraços

Os comentários estão fechados.